Ricoh renova parque de equipamentos multifunções da Infraestruturas de Portugal

Imprimir Twitter Facebook Delicious LinkedIn

Ricoh renova parque de equipamentos multifunções da Infraestruturas de Portugal

Negócio de mais de 700 mil euros representa o maior contrato em Portugal da multinacional do último ano fiscal e reforça a presença da empresa como fornecedora da Administração Pública 

Lisboa, 4 de junho de 2018 – A empresa tecnológica Ricoh em parceria com a Infraestruturas de Portugal, empresa pública responsável pela gestão e administração das infraestruturas ferroviárias e rodoviárias, fica agora encarregue da renovação de todo o parque de equipamentos multifunções de IP, com um contrato de gestão de 3 anos. O negócio ascende os 700 mil euros e representa o maior contrato da Ricoh em Portugal no último ano fiscal.



Impressora MFP a cores SRA3 MP C3004 exSP, um dos equipamentos Ricoh de IP

Este projeto é fruto do concurso público internacional que a Ricoh ganhou, graças à proposta técnica e ao facto de ser economicamente competitiva. A renovação do parque pela Ricoh terminou recentemente com a instalação de 285 equipamentos multifunções. Juntamente com a implementação da solução AAA (Autenticação, Autorização e Accounting) Equitrac e de impressão móvel com a solução Every-one-print.

David Valero, Sales Director in Major Accounts Ricoh Portugal e Espanha, comenta que “ter a Infraestruturas de Portugal no nosso portefólio é sem dúvida um marco no mercado português, pela dimensão e pelo facto de ser uma empresa pública com tanto peso no dia-a-dia dos portugueses. O grande foco da Ricoh é ajudar as empresas a serem mais ágeis e a estarem preparadas para a transformação digital no local de trabalho e foi com esse objetivo que entrámos no novo ano fiscal que agora começou”.

“Temos como objetivo cumprir a Resolução do Conselho de Ministros n.º 51/2017, ou seja, promover a redução do consumo de papel e demais consumíveis e meios relacionados com a impressão, tendo como objetivo último não apenas uma correspondente redução de custos, mas principalmente uma mudança de cultura e de práticas que promovam processos de trabalho e de comunicação mais orientados aos objetivos das organizações e ao próprio serviço público.”, afirma Mário Nogueira, Diretor de Sistemas de Informação da Infraestruturas de Portugal, SA.

Topo da página